Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

República Independente do Alto de Paço de Arcos

Toda a zona ocidental da Península Ibérica está ocupada pelos portugueses…toda? Não! Uma vila habitada por irredutíveis paçoarcoenses conseguiu a sua independência 19 meses depois do 25 de abril de 1974!

Toda a zona ocidental da Península Ibérica está ocupada pelos portugueses…toda? Não! Uma vila habitada por irredutíveis paçoarcoenses conseguiu a sua independência 19 meses depois do 25 de abril de 1974!

República Independente do Alto de Paço de Arcos

30
Abr20

4ª temporada - O Boquinha de Milho (8)


Comandante Guélas

 

Hoquei 2.jpg

8 

“Certamente vocês, a nação paçoarcoense, conquistarão a vila. E quão maravilhoso será o seu comandante, o Comandante daquela nação. E quão incrível, quão maravilhoso será o exército daquela nação, assim como a sua equipa de hóquei!” – Tenente Proveta ao dar início à invasão do sul comunista.

Os flatos do Focas eram sons que doíam, e atingiam sempre a débil fronteira das lágrimas do Kid Aromas, que naquele dia histórico tinha o peito mais enfunado do que a vela de um galeão. A complexidade religiosa paçoarcoense era assinalável, por isso o irmão padre do Serapito dizia que a vila-Estado era uma repartição do Céu na Terra, com alguns empréstimos feitos no Inferno. O Alerta PA do dia informava que o Dr. Protético, irmão do Vitinha, arrancara vinte dentes ao Tubarão e ninguém gritara “pecado”! O regresso do Bill à Mãe-Pátria não trouxera só três magníficos, mas sim uma equipa inteira no porão, sinal de que o mister já tinha adquirido muitos hábitos chineses. E cada atleta trazia escondidos na sua bagagem quadros de cavalos e de toiros assinados pelo Boquinha de Milho, um velho sem maxilar inferior, que passara o resto da reforma a fazer desenhos na Oceania. Mas o Bill trouxe também felicidade à vila, porque mal pôs um pé em terra o Manel Canocha, irmão do general Titó e do Joaquim, o comuna mais empedernido de Paço de Arcos, dera o berro, deixando vaga a casa ao lado da Dízima e por baixo da Elisinha Explicadora. Na escola, do bando de comunas, só o Bill chegou longe, porque depressa aderiu à causa guélanista, passando a limpar o cu aos ensinamentos do camarada Lenine, uma múmia do Kremlin que morrera atestado de sífilis, borgalhotas e piolhos. Aliás, fora o mais novo dos titós que dera o alerta ao jornal da terra, o Avante Bilov: “morreu o Keidas com um tiro nos cornos”. Por Keidas queria dizer Kennedy! E apesar da notícia estar um pouco atrasada, o Bill escreveu-a na mesma, tinha de dar nas vistas se queria ter um futuro como jornalista da LUSA. Mas o dia corria-lhe bem, as notícias eram em catadupa, o Lourenço, dono da Plim-Auto na terra dos pés negros, onde o Choné mandou arranjar um R5 “Alpine”, preto, de jantes alargadas, com que o Focas e o Chinoca se espetaram na curva da casa dos Baptistas, que queimaram a cabeça do vizinho Milhas, que mais tarde se casaria com a Sesaltina, vizinha do João da Quinta e do Zé dos Porquinhos, despistara-se na curva das Fontainhas com o seu Matra de fibra de três lugares, com uma puta com casaco de peles e o Ferramenta, e este por não ter o cinto foi fazer companhia com aquele que andara a comer a Marilyn Monroe, Marie Hemorroidas para o Keidas.

- Vai tudo dexpulso do bar, - ameaçou o senhor Daniel.

Mas o escândalo dos quadros falsos do Boquinha de Milho ocupava a primeira página: O Luis de Espanha descobrira, no Arvoredo, que ele copiava os desenhos por cima, decalcando-os em casa, para depois dar a impressão de ser um artista de renome mundial. Foi expulso do café pelo dono ofendido que, por ser uma atração, dava-lhe comida à borla. Assentou arraiais na Oceania, e deixou um seguidor, o irmão da Marina, que fazia o mesmo usando outra técnica, projetar desenhos numa tela e copiá-los.

29
Abr20

4ª Temporada - Mister Bill (7)


Comandante Guélas

Balatuca.jpgEscoto.jpg

João Gordo.jpg

 

 

7

Quando o Bill apareceu na porta do Aeroporto Internacional Quitéria Barbuda, acompanhado pelas estrelas do Clube de Hóquei de Wuhan, e assessorado pelo Zé Pracana, já sabia que a comunicação social o esperava em massa para ouvir as novidades:

- Acabei de chegar de Macau e trago-vos uma novidade, consigo curar qualquer doença!

- A mim curou-me uma hepatita, - interrompeu o Balatuca, capitão do Iraocusaicaro.

- E a este leitão, - e apontou para o gordo, - curei-lhe uma úrsula.

- E o espigadote, teve alguma maleza? - Questionou o jornalista Clarke Kent da TVI.

- Uma "hepatita azar", e curei-a com água envenenada pelo esgoto do Manelinho, e com carne das vacas loucas.

- Mister Bill, tiveram a estagiar na Tunísia?

- Correto!

- E o que é que viu no subsolo?

Houve uma hesitação momentânea, logo superada após uma indicação do assessor, que segredou:

- Azeite!

- Última questão, o que é que apetece fazer em primeiro lugar, agora que regressa à pátria paçoarcoenses com os três magníficos?

- Montar!

Mas o Bill só montava no Guincho.  Por isso quando chegou ao café “Iolanda”, que vendia meio-gordo dentro de uma garrafa de sumol com palhinha à Quitéria Barbuda, perguntou:

- Quem é que quer ir montar?

Braços no ar.

- Mas tu já alguma vez andaste a cavalo? – Perguntou o  Peidão, ao Chinoca.

- Eu tenho uma “Maxi Push”.

No Renault 5 que o fora buscar estava um amigo misterioso do Bill com chibata, botas de montar e cara de mau.

- Eles podem vir connosco?

A excursão rumou para a Aldeia da Areia, onde seriam alugados os animais. Quando os bichinhos foram entregues o Chinoca quase que saiu à carga, porque pensava que “Cavalo” e “Peidociclo” era tudo da mesma família, e por isso acelerou a fundo.

- Têm a certeza que o vosso amigo sabe andar de cavalo? – Perguntou o dono do picadeiro ao ver que o rapaz com cara de oriental não tinha qualquer vestígio de técnica de acompanhamento do trote, indo por isso a bater violentamente com o traseiro na sela e a enredar as rédeas nas pernas.

- Ele está habituado a montar as éguas em pêlo, - explicou o amigo Bill.

O jovem com cara de mau tomou a dianteira passando com um ar de desprezo por todos. A sorte devia-se ao facto de os cavalos estarem habituados a andar uns atrás dos outros e assim o do Chinoca teria poucas hipóteses de fugir. Atravessaram a rua e embrenharam-se nas dunas. Alguns metros mais adiante tiveram de reduzir para passo, pois era necessário poupar o rabo do chinês. Mas aconteceu o primeiro dos “previstos”, quando um ramo baixo lhes apareceu pela frente. Todos puxaram pela rédea esquerda e contornaram o arbusto, excepto o Xinoca que seguiu em frente e chocou contra o obstáculo. Passou o bicho e quase ia ficando o cavaleiro, caso não se tivesse deitado sobre a cabecinha do animal, folgando as rédeas e soltando os chinelos de quarto dos estribos. Ainda houve tempo para apostas, ganhando a opção “queda”. Valeu o sangue frio do cara de mau que encostou a sua montada e segurou o animal. Pausa, o chinês estava mais inclinado do que a Torre de Pisa, e à medida que ia descaindo puxava as rédeas, arriscando-se a sentar o alazão no colo. Quando o líder o informou dessa hipótese, tirou as mãos e caiu na areia fofinha. Pôs-se logo ali uma dúvida: como é que ele iria montar, uma vez que não havia a escada do picadeiro? Veio-lhe à memória o paçoarcoense da Quinta Divisão e da falta que ele lhe fazia naquele momento. Caso fosse um dos presentes, mandá-lo-ia agachar, como já era costume. Depois bastaria saltar-lhe para a espinha e montar. Mas a realidade era outra! O Chinoca teria de se desenrascar, nenhum dos presentes queria fazer de militar de abril. Foi o que fez, meteu o bichano na parte baixa de uma duna e saltou-lhe para cima. Como o tempo já estava a escassear, foi necessário recorrer ao galope, porque senão nunca chegariam à Praia Grande. Ao chegarem ao Guincho cada um escolheu o seu ritmo e, de uma maneira geral, a carga foi a velocidade que imperou. Quanto ao Chinoca, optou por parar, largar o volante, enrolar um cigarrinho, ao mesmo tempo que dava folga ao rabo. Só que este tipo de cenas não eram as mais aconselháveis no momento, porque o animal cheirou o chão deitou-se de imediato, atirando o adolescente com cara de oriental de pantanas, tendo no entanto ainda conseguido dar a última “passa” antes de aterrar. O cara de mau, que estava na outra ponta da praia, nem queria acreditar no que via. O cavalo do Chinoca parecia um cão a coçar-se no chão e quando a festa acabasse de certeza que iria a Cascais tomar um copo. E quem tinha deixado o Bilhete de Identidade, aliás o único a levá-lo, tinha sido ele, como prova que eram todos “bons montadores”. E o seu Renault 5 não valia nem metade de um burro sarnento, quanto mais um cavalo inteiro. Ficaria de certeza a lavar cavalariças o resto do ano e estragaria as suas botinhas com brilhantina. Meteu “prego a fundo” e conseguiu chegar a tempo. Quanto ao Chinoca, queria era regressar a pé, alegando já ter o traseiro em chamas e não querer ser confundido com algum revolucionário tresmalhado. Conseguiram convencê-lo a dormir nessa noite de barriga para baixo, para que as marcas no mealheiro desaparecessem. A partir dessa data o Rui, nome próprio do cara de mau, optou ir sempre pelo picadeiro e longe dos meninos de Paço de Arcos.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D