Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

República Independente do Alto de Paço de Arcos

Toda a zona ocidental da Península Ibérica está ocupada pelos portugueses…toda? Não! Uma vila habitada por irredutíveis paçoarcoenses conseguiu a sua independência 19 meses depois do 25 de abril de 1974!

Toda a zona ocidental da Península Ibérica está ocupada pelos portugueses…toda? Não! Uma vila habitada por irredutíveis paçoarcoenses conseguiu a sua independência 19 meses depois do 25 de abril de 1974!

República Independente do Alto de Paço de Arcos

07
Jun19

3ª Temporada - Vestígios Biológicos


Comandante Guélas

Cagalhão 1.jpg

 

27

 

A República Independente do Alto de Paço de Arcos cheira a cultura, em qualquer lugar há vestígios genéticos daqueles que um dia juraram fidelidade ao Comandante Guélas, o Querido Líder desta Vila-Estado. No largo da estação, mais precisamente nas ruínas do primeiro Centro Comercial da Costa do Estoril, o Áries, ainda se sente, nas noites de Lua Nova, o clarão dos flatos, que iluminavam de espanto a penumbra, prenúncio de que o Focas estava a parir num dos cantos um dos formosos cagalhões que o tornaram célebre, e que selaram as mais fundas e leais amizades guélianas. Foi ele que cometeu o primeiro crime, não de sangue, do jovem país, mas de merda, ou ambiental como se diz hoje em dia, quando o Zé do Carula abriu a porta da casa de banho do seu café, e esta ficou colada à parede por causa do cagalhão monstruoso que o Focas fizera atrás da porta. Confidenciou ao padre, que casou o irmão Serapito pela 40ª vez, que em pequenino tinha um monstro dentro de si, na tripa, e que após a vitória do Comandante Guélas resolvera soltá-lo, e este tomou-lhe conta do intestino e nunca mais parou de fabricar tronco majestosos.

 

Outrora no sítio de Paço de Arcos onde hoje em dia existe o “Elefante Azul” desenrolou-se uma cena digna de Farwest, contada nos livros de História da Vila-Estado, em que os protagonistas foram dois paçoarcoenses de gema, o Choné e o Dic, este último o único Ser Humano do planeta a ter o mesmo nome que o seu cão, não por o ter dado ao canídeo, mas sim recebido. O destino pôs-lhes uma égua no caminho, em vez dos caracóis que andavam à procura, e as hormonas do Choné estoiraram:

- Vou montá-la!

O Dic humano controlou-se, já tinha passado por aquilo e deixara marcas no Dic canídeo, o nariz dividido em dois! O Choné tentou montar pela direita, mas ela respondeu-lhe com vários coices, parecia a Tita dos Pés Sujos. Entrou pela esquerda e só teve tempo para uma rapidinha, um galope diagonal pelo campo de trigo, pois os gritos da égua chamaram a atenção do dono que veio de forquilha na mão a gritar:

- Essa é minha, e nem o meu primo Conan Vargas tem autorização para montá-la!

A leitaria do senhor Manuel, que servia meio-gordo em taças, era um local exceptional, mas inconveniente. A Fonte da Avenida era um local de culto, dizia a lenda que a formosa Tita dos Pés Sujos costumava cortar as unhas dos pés e atirá-las para a água que, com o passar do tempo, se tornou um local de desejos, uma escarreta, um milagre.

Na Casa das Pedras, junto à marginal lá para os lados de São Pedro do Estoril, que foi mandada construir em 1904 pelo comandante e capitão-de-fragata Manuel de Azevedo Gomes, da família do sargento-de-Bóia paçoarcoense Horta, que numa festa na casa da Káti, uma figura arredondada, de cabeça de ovo, com uma sugestiva boca muito grande, foi torturado pelo impiedoso Zé Pincél, que o acusou de blasfemar contra o tamanho das mamas da dona da casa, que iria ser futuramente sua namorada, depois do Peidão lhe ter trincado os lábios no seu primeiro linguado, foi onde o Janeca e o Taka Takata juraram ter visto, após um charro comprado ao Grilo, o fantasma do primo do João da Quinta, dividido em dois pelo rápido de Lisboa, e mijado nas calças, despejando para sempre o seus ADN naquele espaço.

- Mas o cu e as pernas estavam na casa do Dr. Cebola, o castelo que fica do lado do mar para os lados de São João do Estoril – contou mais tarde o maior traficante de droga da vila. – É a prova de que a minha erva é a melhor da Costa do Estoril.

As relações entre o Torpedo e o Pitrongas foram sempre muito conflituosas. Mesmo depois do primeiro ter tido um ataque cardíaco enquanto bebia água na sarjeta. O segundo insistia em subir a rua José Ferrão Castelo Branco em vez de ir dar a volta por Caxias. A teimosia era tanta, que teimava em vir sempre a cavalo da sua Honda 50 de cor preta, desenhada para gente normal e não para um flamingo de um só neurónio. E o mais grave era que o barulho do escape apanhava sempre o Torpedo em sono profundo, um canídeo com um acordar difícil. Nestas ocasiões encaminhava-se estremunhado para o passeio, agachava-se e esperava pela ave rara.

 

Taka Taka Taka

 

Roncava a dita do Pitrongas, que atingia a vertiginosa marca de 30 Km/h. Mas havia um problema. O canídeo chegava aos cinquenta, fruto de muitos treinos durante as fugas ao motorista da quinta ao lado, o senhor Manuel, quando cinco dos seus dez donos resolviam encher a porta da Sesaltina de lixo e carregar na campainha.

 

Taka Taka Taka Taka

 

O escape parecia agora uma charanga, sinal de que o Pitrongas estava perto da curva, já com o pisca direito ligado, que indicava ir dar uma seca à tia. A simbiose mota/condutor dava o aspecto de um morcego e as pernas em abdução pareciam asas. Os ramos das árvores dobravam-se com a força do vento. O Torpedo absorveu um largo trago da sua baba, enquanto que na outra ponta da rua o pai do João da Quinta deu um gole no vinho carrascão, que era a única maneira que tinha para se manter vivo. Tudo se demorava: o barulho do escape do Pitrongas e o bater ansioso do coração do Torpedo, com a boca tingida pela raiva e as lágrimas a escorrerem-lhe pelo focinho, fruto de um ódio de estimação. Até que uma sombra esguia, projectada pela luz do candeeiro da retaguarda, se estampou no passeio. Era o anúncio de mais uma noite estragada para o Pitrongas. Quando a mota e o flamingo se aproximaram da curva, não eram mais do que uma mancha escura que fazia lembrar um sapateiro viúvo com uma luz laranja, estilo pirilampo, a piscar para a direita. Os olhos do Torpedo concentraram-se na figura rabiscada do motorista. Nesta pequena curva, que tinha logo uma contracurva e um entroncamento no meio, havia naquele momento um conjunto de tensões. Quando o cheiro do Davidoff do Pitrongas chegou ao nariz do rafeiro, os seus neurónios entraram em curto-circuito. Uma raiva profunda perpassou-lhe ao longo da coluna vertebral, eriçando-lhe os pêlos, ao mesmo tempo que o intestino entrou em terríveis convulsões, cujo barulho era abafado pela charanga do Pitrongas. Foi a potência do escape do canídeo que o atirou, de boca aberta, de encontro ao tornozelo do costume, o esquerdo, e lhe arrancou, como já se tinha tornado hábito, parte da meia da marca “CD”.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D