Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

República Independente do Alto de Paço de Arcos

Toda a zona ocidental da Península Ibérica está ocupada pelos portugueses…toda? Não! Uma vila habitada por irredutíveis paçoarcoenses conseguiu a sua independência 19 meses depois do 25 de abril de 1974!

Toda a zona ocidental da Península Ibérica está ocupada pelos portugueses…toda? Não! Uma vila habitada por irredutíveis paçoarcoenses conseguiu a sua independência 19 meses depois do 25 de abril de 1974!

República Independente do Alto de Paço de Arcos

19
Out19

4ª Temporada - O Hipnotizador


Comandante Guélas

Rasputine.jpg

 

5

Reza a lenda que a cidade Estado de Paço de Arcos foi por um dia possuída pelo primo do Rei Ghob, e o primeiro sinal apareceu quando o povo deu de caras com o Laranjão, pai do Zé das Cápsulas, armado em polícia sinaleiro com um penico na cabeça, tentando orientar um carro fantasma, dirigido em pé, como era costume, pelo João da Quinta.

- É o Hipnotizador!

O primo do Rei Ghob pôs o Charlot a comer uma batata crua como se fosse uma maçã, a terceira fila adormeceu instantaneamente com um estalar de dedos, e deixou a vila enfeitiçada durante alguns dias. O ex-social fascista Bill, e atual capitalista macaense, perguntou as horas a um bombeiro no final de um treino de Andebol, e quase foi linchado pelo próprio:

- Qual é o nome do soldado da paz?

- Álhi!

- Senhor Álhi, faz-me o obséquio de dizer as horas?

Levou de imediato com uma saraivada de calão, misturada com uma gargalhada geral.

O Espalhinha fora vítima de uma troca de identidades, no dia em que tentou contactar o irmão do Tolas Monas, o Zé:

- Chama-se Jeremias!

Durante anos chamou Jeremias ao senhor, nome de um burro famoso duma série na televisão. Numa noite, já de madrugada, a Padaria “Aveirense”, de Silva & Sousa Lda., rua dos Fornos, nº 17/17B e 17, foi visitada por uma destas turmas, constituída por adolescentes de boas famílias. Recuemos umas horas, para tentarmos perceber o que levou aqueles “meninos de bem” a fazerem uma visita de cortesia à célebre Padaria. A noite ainda era uma menina, e a festa na sede velha do Clube Desportivo de Paço de Arcos ia de vento em popa. O irmão mais velho do primeiro marido da Tita-dos-Pés-Sujos controlava a música, e debitava freneticamente os vinis gamados aos amigos, fazendo abanar o edifício. O irmão do Citron até já tinha dado um golo numa cerveja de litro, que estava escondida debaixo de uma mesa, mas em vez de cerveja bebera mijo, e do rijo. Dois pigmeus de blusões negros, vindos de Porto Salvo, estavam parados junto ao Salão de Dança e tinham colocado os seus capacetes no chão, um em cima do outro, num local de passagem.

- Quem se atrever a tocar-lhes, morrerá – ameaçaram, coçando os tomates.

O jovem Milhas já se tornara no convidado mais chato da festa, pois ultrapassara a fasquia das cinco “bejecas” e andava perdido na dança, à procura duma vítima. Quando se cruzou com os capacetes deu-lhes um chuto à Eusébio, atirando-os para o meio da multidão. O anão mais próximo nem teve tempo para o homicídio, pois o Milhas agarrou-se de imediato a ele e levou-o para a dança, talvez confundindo-o com a “Huga Huga Lagosta”. Entretanto, o Velhinho conseguira deitar a mão a uma caderneta com senhas de produtos que estavam junto ao homem da caixa, e estava a distribui-las pelos amigos. A azáfama no Bar era enorme, os produtos esgotaram-se num abrir e fechar de olhos.

- Isto é que foi um grande negócio, vendemos tudo! – Disseram os responsáveis, fazendo um sinal com o polegar para o colega que estava na outra ponta da sala, mais propriamente na caixa.

Mas festa em Paço de Arcos não era festa, sem uma carga de Litopol (Ácido Muriático+Litopol). E, como sempre, foi fatal! A noite já ia longa quando o Gang foi arejar para o exterior, encostando-se à “Padaria Aveirense”. O pior foi quando as bexigas começaram a apertar e a vontade para mijar atingiu a “redline”. A pouco e pouco os membros do Gang viraram-se para a parede do estabelecimento comercial e começaram a verter águas. Os que tinham só parede, para a parede olharam, mas os que ficaram com as janelas à frente da cara, depressa descobriram que a loja estava recheada de guloseimas, que davam muito jeito aos estômagos vazios. Cinco minutos depois, o Gang de brancos estava ao balcão da “Aveirense”. Mais cinco e já todos corriam em várias direcções da vila, levando nos bolsos rebuçados do Doutor Bayard, Sugus, Chocolates “Sombrinhas”, queques, amendoins, favas fritas, Vinho Rosal, Rebuçados “Bola de Neve”, Tabaco, e tudo o mais que viesse à rede. A única pista foi dada por uma testemunha anónima que viu um indivíduo, às três horas e dez minutos, com um caixote de produtos à cabeça, junto à linha do comboio. Consta que era o célebre Focas das Docas. Mas houve um paçoarcoenese que ficou para sempre hipnotizado, o Milhas, que continua à porta do Cine-Teatro à espera da devolução do preço do bilhete, como prometera o artista a quem subira ao palco.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D